Vieiros

Vieiros de meu Perfil


O Bierzo

Edición xestionada por Vieiros
RSS de O Bierzo
LEMBRANZA

Urbano Ermida: um berziano nA Fouce

Em Janeiro de 1926, os arredistas galegos na Argentina, já afastados da Irmandade Nacionalista Galega (ING) de Buenos Aires, em discrepáncia pola sua linha culturalista e moderada, e ainda baixo a sigla de ING, editam o primeiro número dA Fouce, de que aparecerám quatro números nesse mesmo ano, interrompendo a sua publicaçom posteriormente, até que aparece novamente em Fevereiro de 1930, já constituido o grupo como Sociedade Nazonalista Pondal (SNP). Un artigo de Igor Lugrís, membro de Nós-UP do Bierzo.

- 10:49 12/04/2006
Tags:

A Fouce, periódico galego publicou-se ininterrompidamente até Julho de 1936, logrando a periodicidade mensal desde 1933. Ao todo, 88 números dumha publicaçom que constituirá, em importáncia, o segundo órgao de imprensa do nacionalismo galego depois A Nosa Terra, e sempre visando construir um partido independentista na Galiza. A Sociedade Nazonalista Pondal, concebida como germe desse futuro partido, chegará a situar-se por volta dos 100 sócios, até a sua autodissoluçom, resultado das divergências internas, no ano 1938.

Garcia Matos assinala como dentro do ideário da SNP a reunificaçom nacional ocupou um lugar destacado. "A Galiza é mais do que a Galiza oficial. Fundamentalmente fôrom reivindicadas de umha maneira mais concreta as terras entre o rio Eu e o Návia, e o Berzo. Desta última comarca galega era um dos membros mais activos da SNP, Urbano Hermida". Som vários os artigos e textos que tratam sobre o tema da Galiza irredenta no jornal da SNP, alguns do ponto de vista da defesa da língua e a cultura galega nestas comarcas, e outros dumha óptica mais política.

Pola informaçom de carácter organizativo que aparece nas páginas dA Fouce, polos seus artigos, e pola publicidade que insere no jornal, podemos acompanhar os grandes traços da vida e o trabalho de Urbano Ermida na SNP e no seu jornal. Urbano Ermida aparece sempre, desde Maio de 1930 (ano no que se constitui a SNP já com esse nome), como membro da sua Junta Directiva ou Junta Executiva, excepto na Junta Executiva saída da 6ª Assembleia Geral da SNP (Março de 1934).

Um soldado raso do exército de emigrados
Mercé da publicidade que a nome de Urbano Ermida aparece nA Fouce, podemos saber que a sua ocupaçom na Argentina era a de pasteleiro. Um anúncio que di "Reparto de Bizcoitos a Vainilla. Especialidade en Budín Inglés. Caramelos e bonbóns. Urbano Hermida. Gaona, 186. U.T. 60-2136" aparece em numerosíssimas ocasions no jornal desde praticamente o início da publicaçom. Som muitos os anúncios de publicidade que aparecem no jornal da SNP, alguns deles de membros da própria entidade.

O mesmo jornal anima à inserçom de publicidade, e assim no número 14 (Junho de 1930), aparece um chamado que di: "Si tem amor a Galicia, suscribasA Fouce: 3 meses $ o.75; 6 meses $ 1.50; um ano $ 3. min. Si é comerciante e bó galego avise en A FOUCE. Precio dos avisos: Convencional". Sem dúvida, entom, como agora, a inserçom de publicidade comercial nos órganos de expressom contribuiam para fazer frente aos gastos de ediçom. Som muitos os anúncios que aparecem no jornal ao longo dos seus 88 números, podendo destacar-se também, por exemplo, a de Vicente Barros, pintor de profissom, Presidente da SNP em 1932 e director do jornal em 1993.

Da vida de Urbano Ermida pouco mais sabemos que o pouco que ele mesmo conta nas suas colaboraçons no jornal. É por alguns dos seus textos que sabemos da sua procedência berziana. No artigo Muxicas de Renascencia, explicita com total claridade a sua origem berziana: "Eu, filho do Bierzo, rexion que s-atopa toda ela nas mesmas condicions que Povoa de Sanabria, sei que isa aititude nom é froito da improvisación sinón qu-é a manifestación lóxica do sentimento de tod-a Galiza irredenta. Dobremente irredenta, pol-a caprichosa división política que a ten arredado das provincias galegas, e pol-o asoballamento que sofre ao igual que éstas". Ainda mais adiante acrescenta: "Moitas vegadas, falando c-os meus conterráneos, e descir, con fillos do Bierzo, faguemos troques de impresions encol das necesidás da nosa terra e das suas posibilidades pra o futuro (...)". Mas em nengum momento esclarece Ermida qual é o seu local exacto de procedência.

Noutro artigo, Lembranzas de neno ainda cria mais incógnitas sobre a sua vida, pois relata um suposto facto ocorrido quando ele era umha criança (um comício político no campo da feira de Rubiám), e onde todos os lugares e aldeias citados ("Eimer, Teilán, Toimil, Noceda, Braxa, Xulián, Sanfiz, Bóveda cabeza de auntamento..") pertencem ao concelho de Bóveda (na actual "província" de Lugo). Pode ser que nascido no Berzo, a família se trasladasse a Bóveda aos poucos anos, ou que estivesse lá temporariamente e assistisse aos factos que conta. A dia de hoje, pouco mais sabemos do que estas duas pinceladas. Aguardamos que este artigo sirva para fazer nascer o interesse por parte de outras pessoas na figura do berziano, e podamos num futuro ter mais conhecimento da sua vida.

A actividade na SNP
Na 1º Assembleia Geral Constituinte da SNP (onde se adoptam estas siglas), Urbano Ermida é eleito membro da Junta Executiva, como vogal titular e como membro da Comissom Administradora da Fouce.

Na 2º Assembleia Geral de sócios da SNP (datada entre 15 de Novembro e 29 de Novembro de 1930), em que se reformam os estatutos, novamente vemos a Urbano Ermida na Junta Directiva, como vogal titular da SNP e membro do grupo de administraçom da Fouce, tal como acontecerá na 3ª Assembleia Geral da SNP (na Primavera de 1931).

Na 4ª Assembleia Geral (em 23 de Janeiro de 1932), manterá esses dous cargos e ainda se incorporará à Redacçom dA Fouce, passando a fazer parte da Comissom de Imprensa).

Na 5ª Assembleia Geral (18 e 21 de Fevereiro de 1933), fará parte da Junta Directiva como Secretário de Redacçom do jornal.

Da 6ª Assembleia Geral (Março de 1934) sairá a única Junta Directiva de que Urbano Ermida nom fará parte, desconhecendo os motivos dessa situaçom.

Já na 7ª Assembleia Geral (Maio de 1935) e na 8ª (Fevereiro de 1936), reaparecerá Urbano Ermida na direcçom da SNP, fazendo parte da Junta Executiva ou Junta Directiva, respectivamente, como vogal titular da SNP.

Ainda som, aliás, muitas as informaçons sobre aspectos organizativos e actos organizados pola SNP recolhidas nA Fouce onde aparece resenhada a presença ou participaçom de Urbano Ermida: assistência a Assembleias ou Juntas Directivas da SNP, palestras impartidas por Ermida e outros membros da SNP, homenagem a Bieito Fernández, na altura Presidente da SNP, doaçons de livros galegos à Biblioteca Nacional de Buenos Aires, ou umha carta na que vários sócios da Institución Cultural Galega se desvinculam da mesma e explicam os motivos.

As suas colaboraçons nA Fouce
Desde o ano 1930 (nº 16) até 1933 (nº 63), som 21 os artigos da autoria de Urbano Ermida que aparecem publicados nA Fouce. Além dos dous já mencionados ao falar dos dados que conhecemos da sua vida, os outros 19 textos assinados com o seu nome (nom podemos descartar a possibilidade de que alguns textos aparecessem no jornal assinados com pseudónimo) tratam diversos e variados temas, como é próprio do jornal, que abre as suas páginas a todos aqueles temas e problemas, tanto galegos como internacionais, de actualidade na altura. Destaca a colecçom de quatro artigos publicados sob o título Estampas da emigraçom, onde apresenta aspectos concretos da vida de alguns emigrantes em particular. A emigraçom constitui um dos assuntos fundamentais da vida de quem se define a si próprio como "un soldado raso do exército de emigrados".

Durante o ano 1930, aparecem quatro artigos de Urbano Ermida no jornal: rmans do Rif (nº 16, 25 de Julho), Estampas da emigrazón (nº 19, 15 de Setembro), Estampas da emigrazón (nº 22, 1 de Novembro), e ¿Inteleutuales galegos? (nº 23, 1 de Dezembro).

No ano 1931 aparecem oito colaboraçons suas: Estampas da emigración (nº 26, 15 de Janeiro), Lembranzas de neno (nº 28, 15 de Fevereiro), Estampas da emigración (nº 29, 1 Março), Hespaña (nº 34, 1 de Junho), Motivos do momento. O caciquismo (nº 37, 25 de Julho), A destempo (nº 39, 1 de Setembro), Chipre (nº 42, 15 de Outono), O dia de cela (nº 43, 17 de Dezembro).

Sete serám os artigos publicados durante o ano 1932: Do momento actual (nº 45, 15 de Fevereiro), A ferrovia Zamora-Ourense-Coruña (nº 46, 1 Março), Datos intresantes. O aumento d-a contribución rústica i-Agricultura galega (nº 47, 1 de Abril), Diante a Inxusticia (nº 49, 1 de Maio), Muxicas de Renascencia (nº 50, 1 de Junho), As vilas e o agro (nº 51, 15 de Junho), e Anacos dunha carta (nº 53, 15 de Agosto).

Finalmente, durante o ano 1933, só serám duas as colaboraçons de Urbano Ermida no jornal da SNP: Camiños galegos, riqueza galega (nº 59, 15 de Março), e Comprobaciós (nº 63, 15 de Agosto).

A leitura dos seus textos mostra-nos um Urbano Ermida perfeitamente integrado na corrente político-ideológico que os arredistas em geral, e a Sociedade Nazonalista Pondal em particular, representam: independentismo, defesa intransigente da naçom galega e proposta de criaçom dum Estado próprio, tentando fugir, sem sempre consegui-lo, de posturas idealistas, místicas e/ou retóricas, aposta por umha política rupturista, atençom à situaçom e contexto internacional, etc...

Concluamos este texto com um fragmento do seu último artigo aparecido nA Fouce, e que, mais de 70 anos depois, ainda conserva actualidade, mesmo na sua comarca de nascimento, no Berzo:"Un naçonalista que pide apoio pra autonomía, é tan sinceiro e tan conscente, como aquel galeguista que non fala galego porque non está oficializado o noso idioma".


5/5 (1 votos)


Sen comentarios

Novo comentario

É preciso que te rexistres para poder participar en Vieiros. Desde a páxina de entrada podes crear o teu Vieiros.

Se xa tes o teu nome en Vieiros, podes acceder dende aquí: